106334400_297344841626569_23812102366072

LINFADENECTOMIA PÉLVICA E RETROPERITONEAL

  Consiste na retirada cirúrgica de grupamentos de linfonodos localizados na pelve e no retroperitônio. É uma etapa importante do tratamento de alguns tipos de câncer que fazem disseminação para estas topografias, como por exemplo no câncer de testículo, melanoma de membros inferiores e alguns tumores ginecológicos (ovário, colo uterino e endométrio).1

 

  Este é um procedimento de elevada complexidade, pois no retroperitônio estão estruturas delicadas e importantes, como os grandes vasos (veia cava, aorta e vasos ilíacos), ductos linfáticos, nervos do plexo lombar e sacral (que fazem a inervação da pelve, virilha e coxas), o músculo psoas, ureteres e os rins.

 

  Apesar de sua elevada complexidade, é possível de ser realizado com muita segurança por videolaparoscopia. Uma complicação um pouco tardia, mas não rara, é o acúmulo de liquido linfático no espaço que foi dissecado, ou seja, linfocele. Seu tratamento padrão é realizado por uma drenagem percutânea, guiada por ultrassonografia.2

 

 

Referências:

 

1 - Heidenreich A, Pfister D. Retroperitoneal lymphadenectomy and resection for testicular cancer: an update on best practice. Ther Adv Urol. 2012; 4(4):187-205.

 

2-https://www.hopkinsmedicine.org/health/conditions-and-diseases/testicular-cancer/retroperitoneal-lymph-node-dissection (acesso em 21 de junho de 2020).

© Copyright (todos os direitos reservados) para o Dr. William A. Casteleins, CRM-PR 24.807